Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

  • Home  /
  • COLUNAS   / Chamo Estrela   /
  • [CHAMO ESTRELA] “Mas eis que chega a roda viva e carrega o destino pra lá” – a mudança dos Nodos Lunares para o eixo Touro-Escorpião

[CHAMO ESTRELA] “Mas eis que chega a roda viva e carrega o destino pra lá” – a mudança dos Nodos Lunares para o eixo Touro-Escorpião

Por Ana Ghandra* |

Os Nodos Lunares são pontos imaginários, que marcam o alinhamento entre o planeta Terra e as luminárias (Sol e Lua), por isso eles sinalizam os Eclipses – eventos astronômicos onde estes alinhamentos se tornam exatos ou próximos o suficiente para ‘apagar ou sombrear’ por algumas horas, e em algumas partes do planeta, a luz que a Terra recebe do Sol  (Eclipse Solar); ou a luz que é refletida pela Lua (Eclipse Lunar).

Aos Eclipses, desde a Antiguidade, eram-se atribuídos poderes místicos, capazes de transformar destinos de uma nação ou sociedade – imagina o que era para os povos da antiguidade, este momento em que o Sol ou a Lua simplesmente eram ‘apagados’ no horizonte. Com certeza, era um acontecimento digno de atenção e perplexidade, cercado de apreensão e incertezas.

Por isso, a interpretação dada naqueles tempos a estes eventos eram sempre de cunho catastrófico ou maligno, uma vez que o Sol e a Lua eram de suma importância (no nível material e simbólico) e seu ‘desaparecimento’ obviamente implicaria em desgraças e destruição. Também eram feitas analogias do Sol com o Rei, Czar ou alguém de poder na comunidade (que dependendo do Eclipse poderia marcar seu fim ou ‘sombreamento’), enquanto a Lua seria uma mulher importante, que poderia ser eclipsada.

Até hoje, nós astrólogos observamos e avaliamos com atenção aos Eclipses, porque se considera um momento catalisador de mudanças, de revelações; pessoas chegam de forma inesperada, pessoas partem de maneira irreversível, há quase sempre uma cisão com o antigo, de cortes abruptos que nos impelem a uma transformação, acima de nossas vontades, quer queira ou quer não.

Na tradição Védica, os nodos são vistos como partes de um Dragão. O Nodo Norte (Rahu) seria a cabeça deste Dragão, sem o restante do corpo, apenas uma boca voraz, que possui fome infinita e pensa exclusivamente em satisfazer seus desejos. Já o Nodo Sul (Ketu) seria a parte de baixo deste Dragão, ou seja, apenas sua parte debaixo, sem a cabeça, que representaria a racionalização e estratégia. Por isso, diz-se que Ketu possui ligações com o mundo espiritual, por não ser materialista (como Rahu tende a ser). Porém Ketu tende ao isolamento de alguma forma, por ser mais alheio ao mundo dos sentidos, com maiores tendências escapistas.

Neste ano de 2022, mais precisamente em janeiro, tivemos a mudança no eixo dos Nodos Lunares, para os signos de Touro e Escorpião.

Anteriormente, desde maio/2020, tivemos os Eclipses ocorrendo no eixo Gêmeos e Sagitário, marcando a ênfase nos temas destes signos e mudanças nessas áreas – que nos falam sobre conhecimento, estudos, viagens, valores, modelos de verdade, crenças, ética, informação, comércio. É inegável o quanto mudamos durante este período da pandemia, por exemplo, na nossa forma de adquirir conhecimento, os estudos, as questões das viagens, pós-verdade etc.

Agora, teremos uma nova etapa onde o foco será mais nas questões materiais, alimentares, financeiras, e tudo relativo a estas áreas tendem a crescer (simbolizadas pelo signo de Touro no Nodo Norte) e também nas questões de poder, intimidade, sexualidade, morte, abusos, comportamentos tóxicos e campos profundos da existência humana, que precisarão ser liberados e curados de alguma forma (representado por Escorpião no Nodo Sul).

Os eclipses deste ano de 2022 – o primeiro Solar (dia 30 de abril, em Touro) e o segundo Lunar (dia 15 de maio, em Escorpião) nos trarão mais elementos do que será esta jornada tão intensa e essencial em nossas vidas, como a representada por Touro e Escorpião.

Lembrando que Urano (planeta do despertar, do inesperado, das mudanças e reformas) será potencialmente ativado pelo Nodo Norte por conjunção (Urano também está em Touro, desde 2018) e isso marca um chacoalhar em nossos apegos e valores mais arraigados, nos pressionando a sair de nossa zona de conforto e mudar justamente na área onde estamos estagnados, teimosos e inflexíveis.

Em um nível coletivo, o Nodo Norte em Touro intensificará o aumento de preços dos alimentos, questões da agricultura (produção de alimentos, agrotóxicos etc) e finanças – simbolizados por Touro, e também a necessidade de mudanças (Urano) em nossos valores (Touro) como sociedade.

O Nodo Sul em Escorpião traz um potencial para campos de cura (psicologia, psiquiatria, medicina, terapias) e avanços consideráveis nessas áreas, uma vez que o trígono (aspecto de fluidez) que Júpiter conjunto a Netuno em Peixes fará ao Nodo Sul possibilita uma compreensão (Júpiter) de campos intangíveis (Peixes) da existência humana, para uma posterior cura e liberação (Nodo Sul em Escorpião). Há também uma tendência para que sejam revelados segredos do poder e tudo que estava ‘debaixo do tapete’ pode vir à tona, de uma forma chocante e irreversível.

Vamos nessa nova dança; a roda viva continua a girar e nessa ciranda estaremos olhando para os campos práticos e materiais (Touro), porém percebendo que para cada esfera da matéria temos, em seu complemento, vetores poderosos e encobertos (Escorpião) que clamam por cura e libertação (Nodo Sul).

 

* Ana Ghandra é mineira, radicada na Chapada Diamantina. Há 20 anos estuda Astrologia e pratica a interpretação de mapas. Nos últimos anos tem dedicado sua pesquisa à fomentação de pontes entre a Astrologia, a contemporaneidade, a espiritualidade e a política.

* CONTATOS
E-mail: anaghandra@gmail.com
Instagram: @anaghandra

Leave a comment