Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

  • Home  /
  • COLUNAS   /
  • [INTEGRANDO SAÚDE] Um Epílogo que veio depois

[INTEGRANDO SAÚDE] Um Epílogo que veio depois

Por Gabriela Sencades Migge* |

Queridos leitores, à medida que vou escrevendo sinto a necessidade de justificar esta coluna, da qual mensalmente publico meus textos, a fim de esclarecer eventuais enganos que possam decorrer com a sua leitura. Antes de qualquer coisa gostaria de pedir perdão se me expressei mal ou induzi a algum erro de interpretação, mas como não conheço meus leitores fica impossível estabelecer uma linguagem específica para cada um, afinal cada ser é um mundo e este mundo tem peculiaridades, tem emoções perturbadoras, tem cultura, enfim existem várias nuances que fazem com que um entenda de um jeito e outro entenda de outro jeito.

Sabendo disso, procuro sempre dar exemplos mais superficiais e da forma mais clara que posso ser, porém enganos sempre podem ocorrer e talvez eu não consiga chegar ao ponto em que algum leitor está e aí posso acabar não ajudando. Ou até mesmo revivificando alguma eventual emoção perturbadora que alguns leitores possam estar no momento, como carência, orgulho, ciúmes, raiva, enfim, esse definitivamente não seria meu propósito. E, considerando tudo isso, gostaria de esclarecer a missão dos textos, por que eles existem e para que.

Primeiramente, gostaria de esclarecer que os textos buscam pela introspecção do leitor. Entendo que só é possível conciliarmos a compaixão e a sabedoria quando vamos iluminando as nossas sombras, ou seja, quando vamos olhando para qualquer emoção perturbadora que temos. Vamos olhar muitas vezes para coisas “super escondidinhas” que estão lá há muito tempo e à medida que vamos tomando consciência, à medida que vamos fazendo os exercícios propostos vamos identificando o que está acontecendo.

Dessa maneira os textos não são armas, nem devem nunca ser usados como munição para algo. Isso quer dizer que eu não viso apontar o dedo para ninguém dizendo que isso ou aquilo está errado, de modo que não tenho intensão de ofender, manipular ou magoar ninguém, apenas fazer com que olhemos profundamente as nossas sombras, que são geradoras de adoecimento e muito sofrimento. Assim, tal como não é arma, também não é munição, ou seja, a aplicação dos textos é sempre individual, nunca seria para respaldar uma carência, por exemplo, de modo que o leitor munido do texto vá ao encontro de algum ser que fez algo e não foi legal, ou gerou sofrimento e cobre posturas “lúcidas” do outro.

Minha proposta é que a pessoa que está em sofrimento possa olhar o cerne de sua própria dor, livrando-se até mesmo de uma possível posição “super confortável” de culpar o outro por todo o seu sofrimento. É preciso elucidar que só há sofrimento quando se escolhe sofrer. E um caminho certo para isso é achar que o outro deveria agir dessa ou de outra forma. Definitivamente não é isso. O outro é livre e age com um pouco de sabedoria e muita ignorância, assim como todos nós. Porém a única coisa que podemos realmente fazer pelo outro é pelo nosso próprio exemplo.

Dessa forma se eu me libero da minha ignorância, do meu sofrimento, o outro, me vendo tão bem, terá como exemplo e fará e buscará o mesmo, só que do jeito dele e não temos que ficar nos achando “Aquele Que Encontrou Algo E Precisamos Ser Espelho Para Os Outros”, pois isso só traz orgulho e mais sofrimento para nós e para os outros.

Dito isso, acho ainda necessário dizer, que os textos são AUTO-REFLEXIVOS. São conteúdos para autoanálise, pois entendo que sem esta não há liberação. No mundo que estamos vivendo há muitos seres que dizem o que temos que fazer, como nos comportar, o que comer, vestir, como se divertir, mas há pouquíssimos mesmo que apontam para você mesmo, e que estão querendo ajudar a cada ser a apenas “ser”, livre de tanto “seja assim” ou “faça isso” (condicionamentos aprisionantes).

Assim, a coluna Integrando Saúde nasce da vontade de ser mais um norte que aponta para dentro, e que deve ser usada para liberação de nosso próprio sofrimento e nunca corroborar com emoções “magoadoras”. Dessa maneira, quero pedir a cada leitor que só compartilhe se vocês mesmos estiverem praticando, pois fez sentido para você, e se entender que pode ajudar o outro, legal! É essa mesma a finalidade. Mas nunca para manipular ou dizer que estamos com a razão e o outro não. Até porque não existem verdades absolutas.

Cada pessoa é um mundo e uma verdade, não queiram manipular, melhor seria perceber a parte manipuladora que existe em cada um de nós e tentar dissolver. Garanto ficarem mais leves e em paz. Aliás, todo o trabalho com os textos visa a melhoria da nossa condição de vida. E vem de um lugar muito experiencial e um pouco teórico. São minhas próprias experiências, histórias minhas, de familiares, amigos, clientes que analiso aqui e ofereço a minha singela visão. Esta pode não ser a mais sabia de todas, pode inclusive não ajudar em nada para alguns. Mas para aqueles que estão abertos, acredito que pode ajudar muito.

Sendo assim, pela vontade de ajudar as pessoas a se perceberem, nasceu a coluna Integrando Saúde. Havia um tempo que estava insatisfeita com meus atendimentos, pois era um tempo muito curto para tratar muitos aspectos, não dava tempo de aplicar as técnicas e ter esse momento fundamental de introspecção. E daí surgiu a vontade de escrever, como que dando continuidade à clínica, mas que alcançasse outros que não vêm até mim e que, pela similitude das situações, mesmo à distância, posso cuidar.

Entendo que não existe melhor forma de cuidar do que convidando cada ser a olhar para si. Não é o outro. É a si mesmo! E assim vou tentando cuidar da forma mais amorosa que consigo de você que está lendo agora.

Perdão se não atendi a certas expectativas, mas isso não quer dizer que eu não me importe ou que eu não te ame. Só quer dizer que é assim que eu me expresso com todo meu amor. No momento, é o melhor que consigo fazer e espero de coração que possa ajudar.

Que sejamos todos muito mais sábios, libertos e felizes!

* Gabriela Sencades Migge é terapeuta holística, co-fundadora do Espaço Cuidar, mestra em reiki, frequenciadora de luz, aurículoterapeuta, terapeuta floral, terapeuta prânica, thetahealer, facilitadora em meditação. Realiza atendimentos presenciais no bairro das Graças, no Recife-PE, Brasil.

Marque sua consulta pelo número: (81) 9.9163-5351 (claro/whatsapp).
Facebook: gabrielasencades
Atendimentos via Skype: Gabi Sencades

Leave a comment