Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

  • Home  /
  • ENTREVISTAS   /
  • ‘ A abordagem natural, recheada de um tratamento psicológico, é muito mais eficaz do que a alopatia que só faz intoxicar o paciente e reprimir o sintoma, sem curar a causa’

‘ A abordagem natural, recheada de um tratamento psicológico, é muito mais eficaz do que a alopatia que só faz intoxicar o paciente e reprimir o sintoma, sem curar a causa’

Acompanhe a entrevista com o Doutor Marco Menelau, que em seu curso de Psicomedicina irá falar sobre o amor de Deus impresso na bioquímica da vida e o valor do amor paterno para a saúde da alma.

O que é a Psicomedicina e como ela surgiu?
A Psicomedicina é um novo método de cura, que surge da união de conhecimentos da Psicologia e da Medicina, criando uma visão revolucionária do ser humano. Ela estuda a saúde e a doença no universo da Biologia e amplia esta visão, rumo à Teologia. Neste caminho ocorre a conexão entre a ciência e a espiritualidade com  a descoberta da presença de Deus no espetáculo da vida.

A fisiologia é estudada sob uma nova ótica, fundamentada na física quântica e pós-quântica, onde percebemos o significado profundo, e os símbolos presentes nos fenômenos fisiológicos. O corpo humano é visto como um microuniverso concebido com um propósito espiritual, e inserido no contexto da evolução da Alma Humana. A Psicomedicina resgata a humanidade no cuidado em saúde.  Com ela, o médico, o psicólogo, o terapeuta e outros profissionais, vão poder tratar o ser humano integral, curando o corpo e a Alma.

Como você explica a ligação existente entre a Psicomedicina e a Espiritualidade?
É uma ligação total. A Psicomedicina transcende e muito a psicossomática, porque ela vai além das causas emocionais e afetivas, ela toca no espiritual, concebendo a doença como um desvio da Alma, como uma desconexão com a nossa essência espiritual. A Psicomedicina busca compreender a doença em seus contextos mais profundos, desde o biológico, de onde partimos com o cartesianismo, até o teológico, quando compreendemos as causas espirituais da doença. Neste caminho percorrido, encontramos o ser humano multidimensional, o ser humano integral.

Como é o reconhecimento dessa área no Brasil e no mundo? Quais os seus mentores?
Estamos com um movimento crescente de adesão de vários profissionais que já estão conseguindo sintonizar com a medicina do futuro. Cada vez mais, os médicos estão despertando para o fracasso da medicina tradicional em lidar com doenças crônicas, sujeitando os pacientes a remédios caros, ineficazes e que apenas controlam a doença, não trazendo uma cura real. Temos dois importantes nomes de brasileiros que estudam a interface de áreas como Biologia, Fisiologia e Psicologia com a Espiritualidade, como o Sérgio Felipe de Oliveira e o Décio Iandoli Júnior.

Quais as doenças tratadas através do uso dos conhecimentos da Psicomedicina? 
Os conhecimentos trazidos pela Psicomedicina servem para todos os profissionais que lidam com a saúde, como fisioterapeutas, nutricionistas, médicos, enfermeiros, psicólogos, e também para aqueles que buscam o auto-conhecimento e a auto-cura. A Psicomedicina é uma nova forma de encarar a doença e o próprio ser humano, e por este motivo ela pode ser uma base segura para qualquer profissional de saúde, em qualquer área que atuar: cirurgia, traumas, psiquiatria, clínica médica, dermatologia, etc.
Em Psicomedicina, estudamos o corpo humano inteiro, cada órgão e sistema, e com isso temos uma nova visão do funcionamento da fisiologia bem como das patologias de cada tecido. Advogamos que por detrás dos sintomas diversos, existe todo um psiquismo desequilibrado, que é a causa real das doenças. Este psiquismo com suas perturbações emocionais e afetivas, precisa ser trabalhado, para que a doença seja realmente curada. A Psicossomática é a medicina inteira!

Como você pensa os atuais métodos de tratamentos de doenças na Medicina convencional?
A Medicina, na maioria das vezes, mais atrapalha do que ajuda! Com muitas exceções, principalmente nas emergências, onde a medicina alopata é imprescindível. Temos milhares de casos de iatrogenia (doenças causadas pelos médicos), que mutilam as pessoas, prejudicam orgãos e até matam. São inúmeros os casos de remédios assassinos, que são ingeridos sem receita médica e sem quase nenhum controle. Infelizmente, a medicina alopata é apenas paliativa. Ela só faz retirar sintomas, lutando contra a reação do corpo com remédios químicos cada vez mais fortes, para simplesmente reprimir os sintomas. A medicina alopata não atua na causa da doença, e não trabalha para fortalecer o corpo, mas ao contrário, o enfraquece com remédios químicos que minam sua vitalidade.

E no caso de doenças crônicas?
Quando lidamos com doenças crônicas isso se torna ainda pior. Os remédios controlam os sintomas e não curam nada! A pessoa continua doente o resto da vida, e condenada a tomar medicamentos paliativos, para alimentar a indústria farmacêutica. A maioria dos médicos sequer questiona isso, e continua ad infinitum a manter o sistema. A medicina alopata desconhece as leis que regem a doença, e luta contra o sintoma e não trata de forma alguma as causas que estão no psiquismo doente da maioria das pessoas.

O que é o remédio a partir desse paradigma de cura? Ele torna-se dispensável? Deve ser substituído e em que casos?
O remédio alopata deve ser utilizado nas emergências médicas. Os diversos procedimentos de suporte à vida são fundamentais e diversos medicamentos salvam inúmeras vidas. A Psicomedicina defende o uso da alopatia para as emergências, embora sabemos que diversos métodos e remédios naturais são extremamente úteis nestes momentos. Agora, a alopatia nos casos crônicos é um desastre! Na maioria das vezes os remédios são dispensáveis. Os métodos e remédios naturais possuem uma eficácia muito superior às bombas químicas que inundam as farmácias alopatas. Um conjunto de procedimentos naturais e técnicas de cura como reiki, massoterapia, florais, homeopatia, acupuntura, fitoterapia, cura espiritual, etc, faz com que sejam prescindíveis os remédios químicos que são perigosos e complicados. A abordagem natural, recheada de um tratamento psicológico, é muito mais eficaz do que a alopatia que só faz intoxicar o paciente e reprimir o sintoma, sem curar a causa.

E os resultados, como podem ser vistos?
Já obtivemos resultados extraordinários de melhora com câncer, pneumonia, asma, enxaqueca, e outras doenças pela abordagem da Psicomedicina. Ao curar o psiquismo, temos resultados imediatos, rápidos e que não causam doenças ou efeitos colaterais. Já tratamos asma apenas com uma conversa terapêutica, já curamos enxaquecas severas, que não obtiveram nenhuma resposta com o uso de medicamentos químicos, com três meses de psicoterapia e o uso de florais. Com essa abordagem, fazemos com que a maioria dos remédios químicos sejam prescindíveis.

Como criador das Essências Florais do Nordeste, o que você descobriu nessa pesquisa? 
As essências florais são um medicamento confeccionado com flores puras do campo, expostas ao sol por algumas horas, em uma vasilha com água mineral pura da fonte. Os chamados biofótons são formados aí, e ficam impregnados na água, que será diluída para fazer os medicamentos florais. Os biofótons florais irão conter as informações curativas que vêm da Natureza, e devolvem a harmonia e equilíbrio emocional, curando o corpo físico. Os florais atuam com impacto sobre o corpo em todos os seus contextos: emocional, mental, afetivo, biológico, trazendo harmonia e equilíbrio, que criam as condições propícias para a auto cura. Eles fortalecem o organismo, aumentando a força vital.

Qual deve ser a aplicação das essências florais e como é o processo de cura de pacientes que usam florais?
Já estão sendo feitas pesquisas, inclusive como tese de doutorado com as Essências Florais do Nordeste. Com elas obtivemos resultados surpreendentes. Diversos outros pesquisadores já submeteram os florais a estudos para teses de mestrado e doutorado, comprovando cientificamente sua eficácia. Já utilizei os florais nas emergências médicas, e podemos observar os resultados em alguns minutos, com os pacientes melhorando de dores, náuseas, fadigas, crises hipertensivas, crises de pânico, asma e outras doenças. A cura dos pacientes com florais é verificada a partir da experiência clínica.

Você é autor do livro Psicomedicina e o Amor Paterno. Sobre o que trata o teu livro e o que ele traz de novidade no quesito das curas integrativas?
A obra completa de Psicomedicina consta de 12 volumes, que estão em fase de finalização. Alguns já foram lançados. O livro Psicomedicina e o Amor Paterno é o primeiro volume, que lança as bases desta nova ciência. Este primeiro livro trata dos fundamentos da Psicomedicina, e fala a respeito do Amor Paterno, que recebemos diretamente do nosso pai biológico, que encontra correspondência com o Amor de Deus-Pai. Compreendemos assim de forma profunda a causa de doenças do sistema respiratório, que possuem uma ligação com o amor paterno. Neste livro estudamos o sistema respiratório, e as causas reais das doenças que acometem este sistema como pneumonia, tuberculose, asma, gripes, obstrução nasal, sinusite, etc.

Os florais já estão sendo utilizados no âmbito do SUS e como é o acesso a este tipo de tratamento pelos usuários do sistema público de atendimento à Saúde?
Em alguns estados, os SUS já adotou o uso das essências florais, com resultados extraordinários. Eu soube que recentemente, com a tragédia de Petrópolis no Rio de Janeiro, diversos terapeutas utilizaram florais para ajudar as pessoas que passaram pelos traumas diversos, com resultados maravilhosos. Foi um trabalho grandioso e emocionante.

O uso dos florais tem alguma interação com outro tipo de tratamento? A cura pode se dar com esse uso coexistindo com um tratamento convencional por exemplo?
Pode sim, os florais atuam num nível diferente da atuação dos medicamentos químicos. Os tratamentos podem coexistir sem problemas. Já tivemos diversos casos de pacientes que usam os florais e tomam inclusive medicamentos para epilepsia e esquizofrenia. Nestes casos normalmente, os pacientes têm suas doses reduzidas pelo próprio psiquiatra, que nem sabe que são os florais que estão melhorando a saúde mental do paciente, e dando a possibilidade de redução da dose.

Leave a comment