Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

  • Home  /
  • ARTIGOS   /
  • ‘Sobre as armadilhas no caminho do terapeuta ou arteterapeuta’, por Sayuri Matsumiya

‘Sobre as armadilhas no caminho do terapeuta ou arteterapeuta’, por Sayuri Matsumiya

Em seu livro “O abuso do poder na psicoterapia”, lançado em 1987, o analista junguiano Adolf Craig presenteia-nos com reflexões preciosas a respeito do exercício profissional do médico, professor, assistente social e, principalmente, do terapeuta, voltando-se assim para profissões que se dispõem à bela e responsável missão de, em alguma instância, cuidar do outro. Ao longo de certeiras palavras compartilha com o leitor suas opiniões, construídas a partir da vivência pessoal e profissional, alertando sobre os perigos que rondam o fazer clínico do terapeuta e trazendo, de forma fluida e clara, alguns dos principais conceitos da abordagem junguiana. De maneira sincera e objetiva, alerta-nos sobre como “os membros dessas profissões de ajuda podem também causar enormes danos, devido a seu próprio desejo de ajudar”, citando exemplos e situações que continuam a se repetir até este exato momento pelo mundo afora, não só pelo fato de a relação terapeuta-paciente tratar-se de um tema arquetípico, mas, last but not least, pelo fato de que a Sombra é uma realidade que sempre acompanhará nosso caminhar, aos olhos dos junguianos.

Ao traçar um apanhado de situações, retratando armadilhas as mais ardilosas ao longo deste longo e sinuoso caminho, o autor chega a consolar o leitor que, após algumas páginas, já deve estar descrente da terapia como caminho possível para a transformação do paciente… e do terapeuta. Afinal, sua proposta com este livro é escancarar um tabu tão velado e muitas vezes veementemente negado pela tribo dos terapeutas: a sombra deles próprios.

Mas, como o precursor da abordagem, o próprio Jung, advertia sobre a exigência e fundamental importância de o terapeuta buscar seu próprio autoconhecimento sempre, Craig vem nos chamar com toda a sua vontade para que arregacemos as mangas e metamos as mãos na massa em que tanto desejamos que nossos próprios clientes se esbaldem… Até porque, como dizia o próprio Jung, como poderemos levar alguém até onde nunca sequer chegamos perto? Pode até ser que cheguemos junto com o outro, mas talvez o percurso seja mais longo e confuso, correndo o risco de tropeçarmos e cairmos em alguns (ou vários) buracos pelo caminho.
Eis então que, após relatar os riscos e as artimanhas do terapeuta para driblar o seu supervisor, se esconder atrás da sua teoria, status, experiência e ludibriar até o seu próprio terapeuta, Craig nos oferta uma nobre solução para os tantos perigos que rondam aquele que coloca o poderoso anel de terapeuta nos dedos…

E essa solução atende pelo nome de Amizade. É isso mesmo. Amig@s, espos@s, irmãos e irmãs, essas pessoas com quem mantemos uma relação desnuda, muitas vezes de amor e ódio, que são capazes de apontar erros nossos que nem nossos terapeutas conseguem muitas vezes achar de tão escondidos, mas com quem também nos sentimos muitíssimo à vontade para falar as coisas mais tolas… Sim, terapeutas precisam muito falar amenidades. O bom humor é um precioso antídoto para vários males, e como é bom quando podemos chorar de rir das piadas que nossos amigos fazem de nós mesmos!

Afinal, o que nos une aos nossos clientes, antes dos livros e supervisões, é a nossa própria humanidade. Quero deixar bem claro que com isso não desconsidero de jeito nenhum a importância desse investimento na profissão, em todos os níveis. Mas nunca, nunca se deve esquecer que, quanto maior for o acúmulo de conhecimento, maior é a sombra também. Nas palavras de Craig, “quanto mais o analista examina e segue os ditames do inconsciente, mais cego o analista se torna, apenas confirmando o que já sabe. Seu ponto cego o impede de ver as áreas sombrias decisivas de seu próprio ser; ou, caso as compreenda intelectualmente, seu autoconhecimento não consegue atingir suas próprias emoções”. Por isso é que “quando intensamente vivida – e sofrida – uma amizade pode salvar o terapeuta de inextricáveis envolvimentos com o seu próprio lado obscuro e destrutivo”.

Então se você é ou deseja ser terapeuta ou arteterapeuta, já deve ter escutado bastante o quão imprescindível é a sua terapia, supervisão e leituras. Mas não deixe também de escutar o que disse o Craig: cuide da amizade. Entenda que amizade não é ser o terapeuta entre os amigos. Não. Amizade é desnudar-se. É confiar, se entregar, amar e por vezes se abusar também. E se você acredita que não tem ou não precisa de amigos, é bom olhar para isso. Seus clientes e seu Self agradecem.
E lembre-se de uma grande verdade que dizia nosso querido Jung:
“Onde há poder não há amor, e onde há amor, não há poder”.

Sayuri Matsumiya é psicóloga junguiana e faz parte do Lumen Novum, espaço destinado à difusão da Psicologia Analítica e da Arteterapia no Recife.
E-mail: sayuuuri@gmail.com

3 Comments

  • Caríssima Sayuri,
    Parabéns pelo belo artigo!
    Você traz reflexões muito profundas, sérias e absolutamente pertinentes. Voltadas para o trabalho do terapeuta, mas que ouso estender para a atuação de quaisquer profissionais de ajuda. Inclusive astrólogos.
    Duas coisas me chamam a atenção, no seu texto.
    Primeira: a frase “Afinal, o que nos une aos nossos clientes, antes dos livros e supervisões, é a nossa própria humanidade”.
    Excelente!
    Convida-nos a abdicar da noss posição de super-homens ou super-mulheres, em que, às vezes, o nosso ego (ou nossas Sombras…) nos coloca.
    Segunda; a frase final, de Jung ““Onde há poder não há amor, e onde há amor, não há poder”.
    Isso me remete ao eixo Touro – Escorpião, ou, mais diretamente, à dissensão entre seus astros regentes, Vênus (o amor) e Plutão (o poder).
    Nesse sentido, peço-lhe licença para lhe apresentar um desafio.
    Um das coisas que a prática astrológica, associada à experiência de vida, me ensinou é que onde há MEDO não pode haver amor. O amor é o oposto do medo, aliás, outro atributo associado ao planeta Plutão.
    Porém, será que não há mesmo nenhuma chance de associarmos o amor e o poder?
    Será o exercício do poder assim tão desprovido de humanidade que temos necessariamente que classificá-lo como oposto ao amor?
    Não foi, por exemplo, Cristo, a mais amorosa personagem da História ocidental, também um homem de poder, ou seja, com elevada capacidade de transformar a realidade?
    O que lhe parece?

  • Sayuri Matsumiya on

    Oi, Haroldo, quanto tempo!
    Muito interessantes suas colocações, inclusive pontes com a astrologia!
    Creio que amor e poder são providos e muito de humanidade sim… A frase de Jung que cito no artigo na verdade está traduzida de forma mais resumida… Jung a cita ao comparar as especificidades das teorias de Freud e Adler…Penso que a palavra “poder” aqui entra não em seu aspecto positivo e criador, mas em seu lado mais destrutivo, representando nas relações interpessoais, o desejo e tendência de dominar, de controlar o outro… Como na canção dos doces bárbaros, penso que a forma mais nobre do amor seria “amá-lo e deixá-lo livre para amar”… Acho que pensamos da mesma forma, então!
    Abraços saudosos!!
    Sayuri

  • Adorei a definição de amizade e o artigo!

Leave a comment