Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

[DESPERTANDO] Ícaro ou Buda?

Foto: Pixabay

| Por Mirtiline Leitão* |

Na ideia de não aceitar quem não está buscando a ‘mesma espiritualidade que a nossa’, nos isolamos numa estrutura de superioridade, que nada mais é do que uma bela armadilha do ego, que nos põe numa zona de conforto. “A partir de agora só vou me relacionar com pessoas que buscam a minha espiritualidade”, ou “quem não come carne é melhor”, “quem medita é mais evoluído”. E lá vai a pessoa, se achando o Buda.

E aí que essa pessoa se afasta daquelas que considera “inferiores”, menos evoluídas, diferentes. Deixa de observar seus gatilhos, aquilo que a tira da zona de conforto, o que faz refletir. Acontece que quando miramos na luz, esquecemos de olhar as sombras. E o mito grego de Ícaro fala muito bem sobre isso. Já Buda, fez exatamente o oposto. Olhou para tudo de si, se dissecou por inteiro, sem separar nada. O resultado dos dois mitos a gente já sabe, se não sabe dá uma pesquisada, vale muito a pena.

E os gatilhos… Ah, os gatilhos! São uma grande oportunidade de evolução que nos é dada, a partir do momento em que nos deparamos com algo que não gostamos, e que REFLETE nossas inferioridades. No confronto é que podemos olhar pra elas. O outro é apenas um espelho. Se olhar dói, não é? Eu bem sei… Mas é a melhor coisa que você pode fazer por si e pelo mundo que você diz tanto que quer mudar.

Na verdade, toda essa resistência em se ver por inteiro é o medo de conviver com aquilo que, na nossa cabeça, já não somos mais. Mas somos sim, somos ainda mais, porque negamos ser. E o que negamos sai de alguma forma. O ego, que não se aceita falho e imperfeito, nega tudo aquilo que julga diferente. Acha que o que vê de sombras está fora, no outro. Quando na verdade está aqui dentro, bem dentro. Escondido dele próprio.

E isso aparece com mais força, quanto mais negamos e julgamos o outro e suas atitudes como diferentes ou inferiores, e as colocamos fora de nós. Mas tudo, exatamente TUDO, é um reflexo de nós mesmos. Não existe dentro ou fora.

E aí eu te pergunto: O que você não quer ver em si e está vendo no outro? Você consegue se ver por inteiro, ou vai continuar sendo mais um Ícaro que se acha o Buda?

O autoconhecimento é um mergulho contínuo para dentro de si, do seu todo interior. Ele não acaba. Pelo menos não nessa vida. Ficaremos nesse processo até que a ilusão de ser uma individualidade egóica se dissolva no todo.

Julgue menos, separe menos. Agregue mais, inclusive as partes de você que são mais difíceis de aceitar. Desperte!

* Mirtiline Leitão é Psicoterapeuta Reencarnacionista, Psicoterapeuta Perinatal e Doula. Trabalha também com empoderamento feminino e facilita vivências terapêuticas. Ela é a idealizadora e fundadora do Despertar Terapias Integrativas.

Atendimentos: Despertar Terapias Integrativas – Av. Rosa e Silva, 670, sala 504 (entrada pela Rua Amélia) Aflitos, Recife/PE.
Agendamento: 81-99657.3067
E-mail: mirtiline@gmail.com

Leave a comment