Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

Roda da Fortuna

Roda da Fortuna
O fio que tece a vida
A roda que conduz à rota
Do alto para baixo de baixo para cima
as mudanças no curso da vida

Por Sabrina Carvalho*
sabbraccadabra@gmail.com

fortuna_or_fortuneSorte, destino, acaso, casualidade, periodicidade, ciclos… A Roda da Fortuna nos põe num ponto de virada onde se percebe a rota que traça sua passagem. Em seu eixo, questionamos até que ponto temos o controle sobre nossas vidas, os acontecimentos e como eles são importante para nossa formação como seres humanos. Coisas que nos são predestinadas ou a atuação do acaso? Sim! A Roda da Fortuna nos põe em contradição. Ou na verdade, ela nos faz retornar eternamente ao princípio da neutralidade…do sim e do não. É na hora da virada, do décimo arcano, que um ciclo se transforma noutro, que o de baixo sobe e o de cima desce.

A grande roda, imensa, pesada, faz o mundo girar, e é sempre marcada por acontecimentos que mudam o curso de um ciclo, mostrando o quanto as situações podem ser instáveis e fugazes. A sensação de perder o controle dos acontecimentos e do curso da própria história nos remete ao desafio da adaptação às novas fases e consequentemente um aprendizado de si. Muitas vezes imaginamos como agiríamos em determinadas situações, que a princípio podem soar impossíveis, mas quando a Roda da Fortuna passa, temos a oportunidade de vivenciá-las, pois fazem parte da nossa rota. Por mais previsível que a vida seja, a verdade é que não podemos prever de fato o que vai nos acontecer, embora a intuição já nos encaminhe para algumas sensações futuras, o inesperado ainda é o que faz da vida surpreendente, grandiosa e temerosa.

A Roda da Fortuna é a marca do destino em seu exercício, e se cumpre pela sucessão de ciclos opostos, vida/morte, início/fim, verão/inverno, dia/noite…nessa dinâmica estão os aprendizados, os crescimentos, através dos nossos enfrentamentos e adaptações a situações bruscas de final e início de ciclo. Olhar para a Roda da Fortuna é ver a força que precisamos erguer para continuar conduzindo nossa rota, assim como o equilíbrio para que o eixo da roda nos leve ao nosso caminho certo. A consciência das entradas e saídas dos ciclos nos energiza e encoraja a seguir novas trilhas com ânimo e determinação! Sigamos a rota e mudemos o curso com coragem ! A consciência leva à transformação!

*Sabrina Carvalho, autora da coluna SabbraCCadabra, é editora de livros e taróloga. Ministra aulas de iniciação ao Tarô e realiza leituras com os Tarôs Raider-Waite, Thoth Tarot Deck (de Aleister Crowley e Lady Frieda Harris) e Cartas do Caminho Sagrado.

Leave a comment