Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

  • Home  /
  • COLUNAS   /
  • [PATRÍCIA MELLO] A Morte como Norte

[PATRÍCIA MELLO] A Morte como Norte

Ilustração: Patrícia Mello

| Por Patrícia Mello* |

A morte quando principia o fim, informa que morrer, antes de tudo, implica em já ter vivido. A impressão imediata de que se tem da morte é que já houve vida. E só morre o que estava vivo! E talvez por isso seja tão difícil, para alguns, deixar morrer, aceitar que já viveu, e reconhecer a vida, muitas vezes, mal vivida.

O morrer se resume em alguma instância em poder abandonar a vida, deixar o fluxo seguir o rumo sem saber o que é que estar por vir. É um ato que por um instante nos conduz de forma direta para a vivência da autonomia.

Então, quem dera ser suficiente se permitir tornar-se apenas memória, lembrança de um tempo que foi e não existe mais. Quem dera ser suficiente existir a partir de um registro numa imagem fotográfica ou num escrito. Quiçá, ser suficiente por existir dentro de alguém.

Que seja a morte considerada uma dádiva, assim como é a vida. Dádiva por podermos reconhecê-la em seu sacrifício ao nos manter vivos mais um dia. Pois é a morte que, em seu encantamento, pode nos servir como um guia para uma vida de escolhas que, ao se realizarem, tornam a vida bem vivida.

*Patrícia Mello é psicóloga, arteterapeuta e gestora do Espaço Gerar – Arteterapia e Bem-Estar

Leave a comment