Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

  • Home  /
  • COLUNAS   /
  • [INTEGRANDO SAÚDE] Amor Incondicional: idealismo ou prática real de nosso cotidiano?

[INTEGRANDO SAÚDE] Amor Incondicional: idealismo ou prática real de nosso cotidiano?

| Por Gabriela Sencades Migge* |

Quando falamos em amor incondicional parece que estamos diante de algo inalcançável. Todo mundo tem uma ideia do que seria isso, mas se acha muito distante e até mesmo impossível de senti-lo e praticá-lo. Porém, o tal sentimento está impregnado em nós, em no nosso dia-a-dia, só não estamos muitas vezes atentos para perceber.

Cordialidades simples como “bom dia”, “fiz para você”, “guardei para você”, “quero que sejas feliz”, “parabéns”, “eu me alegro com sua alegria”, são permeados de amor incondicional, uma vez que, quando sinceros, quando vindos do coração, são desinteressados e somente querem que o outro tenha uma vida mais fácil, mais feliz, leve e plena.

É mais simples do que parece sentir e praticar o amor incondicional. Este se estabelece quando abrimos nosso coração e deixamos fluir, pois nossa essência é puro amor incondicional e quando deixamos cair as carcaças de nossos egos, de todo o “auto-interesse”, de toda paixão egóica, de todo querer, conquistar e dominar, o que sobrará é apenas amor, desobstaculizado, pleno, inteiro. Afinal, somos isso. Confiem, testem, ao desestruturar todas a emoções que nos limitam o que sobra é o nosso pleno poder.

O poder de amar todo o mundo, todos os seres e coisas ilimitadamente e de criar a realidade que queremos. E, por sua vez, toda a estrutura que faz do mundo mundo deixa de ser um campo árduo de batalhas de sobrevivência, competição e guerras vazias pelo controle, e passa a ser o fluxo natural das coisas, o palco que se apresenta, se diverte (ri, chora, aprende…) e se abandona no final do ato (leia-se, da vida).

Dessa forma, considerando que o amor já está presente, nosso trabalho apenas reside em trazer para nossa consciência. Torná-lo vivo, ativo, real e, por que não, palpável!?

Quem vive muito no “auto-interesse” pode achar isso impossível, besteira, loucura… mas podemos ir percebendo de forma gradual as facetas do ego autocentrado e ir liberando nossas atitudes essencialmente baseadas nessas ações. Para isso precisamos ser bem sinceros conosco mesmo e deixar de nos enganar.

Atitudes como “vamos unir o útil ao agradável”, às vezes é uma atitude bem inteligente e prática, mas muitas vezes, acaba sendo estratégia de manobra para atingir nossos próprios interesses apenas. E aí vivemos mascarando a nossa autossatisfação com “generosidades” “amabilidades”, “ações que aparentemente beneficiam outros, mas que no fundo a motivação principal é baseada no ego”. Atitudes assim estruturam ações controladoras e acabam por limitar e encaixar os outros em nossos padrões, resultando em um mundo destituído de sentido, amargo, melancólico, onde se vive glórias e derrotas eternamente, uma gangorra emocional.

Para estarmos livres disso tudo podemos exercitar o auto-amor, primeiro, pois é primeiro aprendendo a nos amar, acolher e respeitar que estaremos prontos para perceber o amor livre de condicionamentos. Afinal é quando nos entendemos como seres que erram, mas que merecem ser perdoados, acolhidos, dados uma segunda chance para fazer diferente, que entendemos a necessidade de fazer isso com os outros também.

Um segundo ponto é a atitude que reside em deixar o amor expandir livremente. Minha professora de ThetaHealing, a Ariana, disse que sentir e se permitir expandir é realmente transformador e que um exercício muito bom de fazer é: ao andar pela rua, olhe para as pessoas e mande para elas esse amor. Não precisa dizer para elas, afinal, vão pensar que estamos loucos né! (rsrsrsr). Mas se a cada pessoa que passar na rua, você for capaz de direcionar para ela um pensamento de “eu te amo” ou “seja feliz” estaremos nos transformando e muitas vezes transformando essa pessoa também, pois estaremos dando a ela a oportunidade de receber amor desinteressado, essência divina pura.

Porque pensem: se toda forma-pensamento emite energia, quando emitimos sinais positivos em nossa mente e direcionamos para os seres, muitas vezes estamos dando a oportunidade que aquele ser precisa para transformar sua vida definitivamente. Damos a esse ser um nascimento bastante positivo em nossa mente, e certamente esses seres responderão a tais vibrações de alguma forma.

Esse exercício que a Ariana sugeriu é bastante legal e simples de fazer, podemos começar agora mesmo. Podemos pensar em pessoas totalmente indiferentes para nós, como o cobrador do ônibus, a recepcionista de algum consultório, o pessoal que fica na informação do shopping… e enviar para elas “eu te amo”, “seja feliz”.

Começar por aí é um grande começo, pois já de início reconhecemos no outro todo seu potencial divino e amoroso! E se somos capazes de reconhecer no outro isso é por que já estamos impregnados disso também!

Um terceiro e crucial ponto é perceber o quanto somos autocentrados! Perceber quais ações que nos move, qual a verdadeira motivação por trás de tudo? Podemos continuar fazendo nossas benesses egoístas, mas vamos observando o que está nos movendo. O que estamos ganhando com isso? Um título de bonzinho? De vítima? Uma medalha? Uma venda? Enfim, onde nosso ego está nos tocando? Às vezes a mera percepção já nos torna capaz de mudarmos de conduta, transformando uma ação autocentrada em amável, realmente acolhedora e promotora das qualidades alheias.

Um termômetro bem interessante para perceber a capacidade de expandir amor seria o apoio que as outras pessoas dão às suas ações (isso o Lama Samten sempre fala). Quando há o natural apoio e sua ação está fluida e desobstruída isso quer dizer que estamos no caminho do acolhimento e do amor pelo próximo. Porém, quando há muito pesar, esforço, má vontade em nossas ações e muita dificuldade em realizá-las há muitas cascas de nosso próprio eu que precisamos soltar para podermos fluir, leves pela vida.

É possível sim fluir com leveza, harmonia e graça pela vida. Ela não é esse poço de sofrimento, autoflagelo e dificuldades que somos induzidos a acreditar por eras sem fim. Podemos ser livres, desinteressados, ativos, vívidos e amorosos. Basta atitude mental para perceber e coragem para praticar. E então? Bora? Ou vamos?

Que você seja feliz!
Que Todos os seres, sem exceção, possam ser felizes! De todo o coração.

* Gabriela Sencades Migge é terapeuta holística, co-fundadora do Espaço Cuidar, mestra em reiki, frequenciadora de luz, aurículoterapeuta, terapeuta floral, terapeuta prânica, thetahealer, facilitadora em meditação. Realiza atendimentos presenciais no bairro das Graças, no Recife-PE, Brasil.

Marque sua consulta pelo número: (81) 9.9163-5351 (claro/whatsapp).
Facebook: gabrielasencades
Atendimentos via Skype: Gabi Sencades

Leave a comment