Fique por dentro das novidades do Flores no Ar!
  • Facebook
  • Twitter

Arquivos

Flores no Ar Logotipo do Portal Flores no Ar

[CAIXA DE PANDORA] NATAL INVERTIDO

Christmas Joseph Mary Bethlehem Nativity Jesus

Por Juliana Florencio* |

Acontece uma coisa esquisita com muitas pessoas no Natal. Há uma expectativa de que algo extraordinário, até mesmo miraculoso, aconteça na noite do dia 24 de dezembro, e como isso não ocorre, as pessoas ficam tristes.

Isso poderia ocorrer devido às lembranças da espera de Papai Noel. Tais resquícios associam presentes há algo mágico, afinal “o bom velhinho” é uma lenda.

Muitas pessoas sentem-se tristes pelos familiares que já morreram, parece que isso fica mais forte no Natal, o que é uma contradição, pois em todas famílias há pessoas que já se foram e a data na sua essência comemora um nascimento.

Os mais pobres ficam tristes porque não podem presentear seus queridos da maneira como gostariam e nem podem ter uma ceia de propaganda de televisão.

O Natal do jeito que tem sido celebrado, na minha opinião, é a festa da falta: faltam os presentes desejados, falta a ceia ideal, falta as pessoas que já morreram, falta união nas famílias… e, principalmente, falta o milagre prometido.

É uma grande contradição, pois o presente já teria sido dado: o menino Deus entre nós.

Refugiado, não-branco, pobre, nasceu entre os animais, pois ninguém quis dar abrigo àquela família.

A dádiva, o milagre da vida, o sentido da criança divina foram substituídos pelo desejo das coisas que não temos.

Vejo as pessoas em dezembro numa maratona de confraternizações e compras que as levam a um estado de euforia e desviam o foco da reflexão. Entram quase que num automatismo.

Mas por que o Ocidente comemora o nascimento de Jesus?

O Cristo veio para ser o Salvador.

E o que isso significa?

Significa dar sentido à vida.

Ao invés de olharmos para aquela criança e o sentido da sua vinda pra terra, nos distraímos de nós mesmos e do sentido da nossa vida.

O capitalismo entendeu a importância deste símbolo para a psique e busca substituí-lo por produtos. Dessa forma, há uma inversão: a dádiva é negligenciada e o consumismo toma seu lugar, aguçando o sentimento de falta e os excessos para supri-la.

O presente já foi dado. É místico. Veio em meio a adversidades, como a vida real é, mas mesmo assim encarnou-se. Esse é o milagre!

O menino-Deus nos traz a mensagem do sentido da vida, do que realmente é importante.

Que possamos nos conectar com esta imagem do presente divino, da criança salvadora e entendermos que o que nos falta, muitas vezes, é encontrar o sentido.

*Juliana Florencio é psicóloga junguiana, arteterapeuta e consteladora familiar sistêmica. Recifense de coração, atualmente mora na Alemanha. Realiza atendimentos online. Escreve mensalmente a coluna Caixa de Pandora, neste Portal Flores no Ar.

Whatsapp: +49 15153187019
Instagram/Facebook: @julianaflorencioterapiaonline
Site: www.juliana-florencio.com
E-mail: juflorenciocs@gmail.com

Leave a comment